Londres dominada pelo islamismo: Cartazes são espalhados informando que o bairro está sob a lei da Sharia

O que aconteceria se o bebê George, futuro rei da Inglaterra, se convertesse um dia a uma religião não cristã? O arcebispo da Cantuária, líder anglicano que celebrou o batismo do menino, disse que não se importaria se isso acontecesse

Os próprios pais do menino, aliás, raramente vão à igreja, assim como seu avô, o Príncipe Charles. Essa é a família real perfeita para representar a fé – ou a falta dela – no Reino Unido, em que apenas 8% das pessoas entre 30 e 50 anos frequentam a Igreja Anglicana assiduamente.

A Igreja Anglicana, fundada graças aos caprichos de um rei lascivo, oferece ao povo britânico um cristianismo aguado, afundado em heresia e relativismo. Não surpreende que essa caricatura triste e vazia do catolicismo já não convença mais quase ninguém. E é nesse vácuo espiritual que o islamismo, uma religião de fortes convicções, está encontrando espaço e criando raízes.

Muitos pensam que o radicalismo islâmico ameaça o mundo somente por meio da ação de grupos armados. Grande engano! A jihad ganha força e se espalha no Ocidente especialmente por meio da dominação cultural. Essa realidade medonha já se delineia com traços fortes em toda a Europa, e de modo especial na Grã-Bretanha, onde a minoria muçulmana faz pressão constante para impor suas crenças e costumes.

Os britânicos carregam uma forte culpa pelo seu passado imperialista. Agora, pendendo para o outro extremo da mentalidade de dominação, estão dispostos a renunciar a seus valores e cultura em nome do multiculturalismo. Essa é uma ideologia de esquerda que prega que todas as culturas devem ser igualmente valorizadas, promovidas e protegidas pelo Estado. Assim, em vez de o imigrante se adaptar à cultura do país que o acolhe, o Estado e os nativos desse país é que devem se desdobrar para assimilar a cultura do imigrante.

Na mente dos britânicos está inculcada a ideia de que, se for preciso, os seus costumes podem e devem ser solapados, só para não ofender os “coitadinhos” imigrantes. O problema é que muitos imigrantes ignoram que o respeito é uma via de mão dupla. E ocorrem aberrações como as cenas mostradas no vídeo abaixo, em que uma cidadã britânica assiste pelas ruas de sua cidade, estarrecida, uma marcha de centenas de muçulmanos gritando “Reino Unido, vá para o inferno” e dizendo que mulheres sem burca são um bando de sem-vergonhas. A moça britânica, pau da vida e muita corajosa, tenta explicar aos manifestantes que é inaceitável que estrangeiros insultem os nativos daquela forma.

Mas o mundo fofo multiculturalista está começando a desabar. Em junho deste ano, o ministro da Educação britânico, Michael Gove, denunciou um esquema armado por muçulmanos para impor o islamismo nas escolas e controlar a rede de ensino. Eles vêm infiltrando professores e diretores nas escolas. Quando conseguem isso, passam a perseguir os alunos e professores não-muçulmanos, até que eles sejam expulsos ou peçam demissão.

Esse desastre já vem ocorrendo há mais e dez anos, mas o governo, de modo intrigante, fazia vista grossa 

Fontes: Diário Digital e The Telegraph.

http://diariodigital.sapo.pt/

http://www.telegraph.co.uk

COMPARTILHAR:

+1

0 Response to "Londres dominada pelo islamismo: Cartazes são espalhados informando que o bairro está sob a lei da Sharia"

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial